Portal ABQM SEQM Serviços Online
home search
search

Stud Book

Anidrose dos trópicos

an1

Se seu cavalo não transpira adequadamente, tem o pêlo sem brilho e aparentemente está sempre can-sado, ele pode ser portador da patologia que dá nome a esse artigo. Em algumas regiões do Brasil, se diz que ele está ?assoleado? e, em outras, ?seco?.

Muitas vezes o próprio animal procura maneiras de se refrescar, ficando sempre na sombra quando está solto. Muitas vezes, quando se encontra alojado na baia, fica tentando refrescar-se no cocho de água, várias vezes enfiando toda a cabeça dentro d?agua.

A anidrose dos trópicos ou falência da sudorese é uma patologia não tão rara, mas raramente diagnosticada.

O cavalo para criar movimento é uma máquina que converte os substratos dos alimentos em combustível. Esse processo produz calor. A produção de energia tem um aproveitamento de 20% e os 80% remanescentes geram calor. Sem um mecanismo que dissipe este calor de forma adequada, o animal tem sua temperatura corporal elevada.

O meio mais significante do cavalo perder calor é por meio da transpiração pela pele. Assim como nos cães, isso ocorre por meio da língua. No cavalo, a perda por intermédio da transpiração é responsável por 65% dessa perda e 25% são perdidos pela respiração com o ar quente expelido.

Quando um animal é removido para áreas quentes, úmidas ou habita nelas, ele pode ter sua transpiração prejudicada, ocasionando a anidrose. Quando um cavalo é removido para uma região como essa, ele necessita de pelo menos 10 dias para sofrer alterações metabólicas para se ?aclimatar?. Muitas vezes ele não consegue, dando início ao quadro de anidrose.

 

Sinais clínicos da anidrose

an2

an3

an4

O primeiro sinal que aparece é a alopecia (queda ou ausência de pelos) na face e a diminuição da sudorese que, muitas vezes, fica restrita na área debaixo da sela e entre as coxas dos animais.

A pele se torna seca, quente e a freqüência respiratória fica nitidamente acelerada, notada ate mesmo por um leigo.

Esses sinais podem aparecer abruptamente ou lentamente. Muitas vezes notamos apenas uma performance pobre, perda do apetite; o animal bebe menos água e parece letárgico ou cansado.

Um animal deve ter sua temperatura corporal normalizada após 30 minutos do final do exercício. Se a temperatura tirada do reto for maior do que 42º.C, o cavalo poderá colapsar.

 

Causa da anidrose

A anidrose é causada por alterações nas células das glândulas sudoríparas e, à medida que a alopecia (queda dos pelos) aumenta, crescem as lesões das glândulas e conseqüentemente o animal deixa de transpirar.

Isso explica o fato de que um animal que sofreu essa patologia, quando estressado, freqüen­te­mente volta a apresentar o quadro.

Algumas linhagens são mais suscetíveis do que outras e sabidamente animais que habitam regiões quentes também o são, sendo esta a maior causadora da patologia.

Animais obesos em regiões quentes e úmidas são as maiores vítimas.

Uma vez o animal identificado como anidrótico, o manejo adequado é fundamental para melhorar seu bem estar.

Removê-lo do local quente e úmido é o melhor ?tratamento?. Muitas vezes, ele deve ser afastado de sua função, seja ela atlética ou reprodutiva, para que sua vida não seja colocada em perigo.

Nos casos mais brandos, devemos trabalhá-lo nos horários mais frescos, sem capa, e mantê-lo em baias frescas e arejadas pode tornar viável o treinamento.

 Dieta dos animais

Ao contrário do que parece à primeira vista, as forragens de gramíneas são bem vindas na dieta. Já a alfafa, por seu alto teor protéico, gera calor e é nociva nesses animais doentes. O concentrado (rações) também são nocivos e não devem superar 0,5% do peso do animal.

Nesse caso, a dieta deve ter o aporte de gorduras aumentado para suprir o baixo teor energético da dieta, pois as gorduras produzem energia sem produzir calor.

O sal (NaCl ou sal de cozinha ou sal grosso) é essencial, assim como a água, mas o que deve se salientar é o equilíbrio eletrolítico.

 Terapia medicamentosa

O uso oral de produtos, que contenham tirosina e cobalto juntamente com eletrólitos, não é mágico como preconizam alguns fabricantes. Da mesma forma, o uso de caseína iodatada e a ingestão forçada de sal (NaCl) não se mostraram efetivos.

O Clembuterol, droga utilizada para algumas patologias respiratórias, é comumente utilizado no intuito de aumentar a sudorese mas, na verdade, ela pode sim provocar a anidrose, temporariamente.

 

Quando o manejo é ineficaz

Quando todo o manejo se mostrou ineficaz, só nos resta remover o animal da região quente e úmida para outra mais fria e seca, quase sempre nas localizadas em locais de maior altura em relação ao nível do mar.

Caso a remoção se mostre inviável, o animal deverá ser colocado em ambiente com o ?clima? controlado como, por exemplo, equipando a baia com ar-condicionado.

É importante salientar, mais uma vez, que forçar o animal a transpirar só aumentará a sua incapacidade de fazê-lo. Assim sendo, trabalhá-lo nos horários mais quentes com capa, por exemplo, não só aumentará a gravidade do quadro, como poderá ocasionar seu óbito.

 

Dr. Hernani Azevedo Silva Neto (CRMV-SP 4288) é médico veterinário, especialista em Medicina Esportiva